The Model Prayer

O ensino de Jesus sobre a oração.


Se você quisesse aprender como orar, quem você escolheria como professor? Em Mateus 6.9-13 encontramos um modelo de oração dado pelo próprio Jesus. Ela não foi dada simplesmente para recitar, mas para ensinar-nos como orar. Ela é chamada de “o padrão verdadeiro para toda oração”. Cada versículo dessa prece identifica uma dimensão importante da oração.

“Pai nosso que estás no céu, santificado (santo) seja o teu nome” – versículo 9 (acréscimo da palavra “santo”)

O ponto de partida da oração é o próprio Deus. Comece a oração voltando seu coração e mente para quem Deus é, e não para você mesmo ou suas circunstâncias. Isso afetará tudo o que vier depois. Jesus começa seu modelo de oração ao reunir duas verdades que parecem tão opostas que é quase inconcebível que possam ser ditas num mesmo fôlego. Deus é nosso Pai. Ele ama você com um amor apaixonado, perfeito, gentil e incondicional. Deus também é santo. Sua glória e majestade são tão intensas que até os anjos à volta do seu trono têm de cobrir seus olhos e pés para não serem devastados por sua presença (Isaías 6.2). A oração envolve tanto extrema intimidade quanto extrema reverência.

Um general de exército, o oficial com a patente mais alta do exército brasileiro, pode ser conhecido por muitas pessoas. A maioria se levanta e bate continência quando ele entra no recinto. Mas seus queridos (sua esposa, seus filhos) o conhecem intimamente e podem incomodá-lo a qualquer momento. Há muitas pessoas que sabem muito sobre Deus, mas como seus filhos, temos acesso direto a nosso Pai. Através da oração, podemos chegar ao seu trono a qualquer instante... e saber que ele deseja ardentemente que nos aproximemos!

Assim, aproximemo-nos do trono da graça com toda a confiança, a fim de recebermos misericórdia e encontrarmos graça que nos ajude no momento da necessidade (Hebreus 4.16).

Pois vocês não receberam um espírito que os escravize para novamente temerem, mas receberam o Espírito que os torna filhos por adoção, por meio do qual clamamos: “Aba (literalmente: papai) , Pai” (Romanos 8.15, explicação acrescentada).

Todos nós fomos criados com um profundo desejo de ter um pai. Para muitos, esse anseio nunca foi satisfeito. Um pai é alguém que protege e provê o necessário para seus filhos. Com sabedoria e amor, ele os guia e prepara para desabrochar na vida. Deus deseja ser seu pai. Antes de continuar lendo, pense por alguns instantes o que significa ter Deus, o Santo, Todo-Poderoso, Criador e Soberano de todas as coisas, como seu Pai. Respeite-o e receba seu amor.

“Venha a nós o teu reino. Seja feita a tua vontade, assim na terra como no céu.” – verso 10

Como ele é Deus, nosso Pai celestial sabe o que está em seu coração. Ele sabe o que você vai dizer antes que você o diga. Então por que orar? O propósito principal da oração (e de todas as outras coisas criadas) é glorificar a Deus. Por meio da oração, você tem o incrível privilégio de participar do maravilhoso plano eterno de Deus. A oração não é convencer Deus a fazer algo que ele não quer fazer. A oração é um meio pelo qual nos apropriamos (tomamos posse) da vontade de Deus. A oração é um meio através do qual Deus traz sua vontade para este mundo.

Jesus disse que sem ele nada podemos fazer (João 15.5). Se entendermos isso literalmente, então sem ele não podemos nem mesmo orar. Lembre-se que através da sua palavra, Deus trouxe este mundo à existência (Salmo 33.6,9). À medida que você se torna íntimo de Deus, estuda sua palavra, anda em obediência e o escuta em oração, o Espírito Santo usará você em oração para falar sua vontade ao mundo. “Venha a nós o teu reino. Seja feita a tua vontade, assim na terra como no céu”. Perceba que a vontade de Deus é perfeita e boa (Romanos 12.2) e que ele é capaz de fazer infinitamente mais do que você jamais poderia pedir ou imaginar (Efésios 3.20). De certo modo, o que está disponível para você através da oração é como uma conta vinculada com fundos ilimitados. Uma conta vinculada é definida como um acordo segundo o qual todas as despesas são pagas para cumprir uma determinada tarefa, que nesse caso são os negócios do reino. Muitos de nós raramente sacam dessa conta, e quando o fazemos, o valor é muito pequeno em comparação ao que existe ali para nós. Muitos enviam pedidos de fundos, que são negados porque o pedido não está de acordo com a finalidade da conta. Descubra como apropriar-se de tudo que Deus tem para você através da oração! 

Vocês não têm, porque não pedem. Quando pedem, não recebem, pois pedem por motivos errados, para gastar em seus prazeres. (Tiago 4.2-3)

“O pão nosso de cada dia dá-nos hoje.” – versículo 11

Quando você dá sua vida a Deus, você não é mais dono de si mesmo. Você pertence a ele, e seu bem-estar é responsabilidade dele. Ele é seu Pai, e ele promete prover o que você precisa para viver a vida que ele quer que você viva (Salmo 37.25; Filipenses 4.19). Alguém já disse que a obra de Deus feita do jeito de Deus nunca deixará de ter a provisão de Deus. Em geral essa afirmação é aplicada a ministérios, mas também pode ser aplicada a pessoas.

Mas por que a parte “de cada dia”? Entre outras razões, porque depender de Deus para suas necessidades diárias mantém seu relacionamento com ele atualizado e vivo. Isso também ajuda você a ver uma relação clara entre sua necessidade e a provisão dele. Tenha em mente que o propósito final da oração não é receber coisas ou fazer com que as coisas aconteçam. É glorificar a Deus. Entretanto, quando você ora de uma maneira específica, sobre uma necessidade específica, e a oração é respondida de forma específica, então Deus se torna mais real para você e para aqueles à sua volta que sabem o que ele fez. Ele recebe a glória, e você cresce na compreensão do caráter, da natureza e dos caminhos dele.

Não andem ansiosos por coisa alguma, mas em tudo, pela oração e súplicas (pedidos), e com ação de graças, apresentem seus pedidos a Deus. (Filipenses 4.6, ênfase acrescentada)

“Perdoa as nossas dívidas, assim como perdoamos aos nossos devedores.” – versículo 12

Um escritor observou: “Assim como respirar é a primeira necessidade do corpo, o perdão é a necessidade da alma... ele é o caminho de acesso a todo o amor do Pai e todos os privilégios dos filhos”. Com base na obra de Cristo na cruz, Deus oferece o dom do perdão para cada pecado que você um dia cometeu ou cometerá. Mas para que um presente seja seu, você precisa recebê-lo. Você entra para o perdão de Deus quando confia em Cristo como seu Salvador. Você continua andando na liberdade e bênção de seu perdão quando confessa seus pecados e perdoa aqueles que pecaram contra você.

Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça.  (1 João 1.9)

Mas se não perdoarem uns aos outros, o Pai celestial não lhes perdoará as ofensas. (Mateus 6.15)

“E não nos deixes cair em tentação, mas livra-nos do mal.” – versículo 13

Assim como o versículo 11 nos leva a orar por nossa necessidade física e o versículo 12 trata da necessidade de nossa alma, o verso 13 ensina-nos a orar por nossa necessidade espiritual. 1 Pedro 5.8 nos lembra: “Estejam alertas e vigiem. O Diabo, o inimigo de vocês, anda ao redor como leão, rugindo e procurando a quem possa devorar”. Mas não precisamos ter medo, porque 1 João 4.4 lembra-nos que “aquele que está em vocês (o Espírito Santo) é maior do que aquele que está no mundo (Satanás)” (descrições acrescentadas).

Deus nos oferece todos os recursos espirituais que precisamos para derrotar o inimigo. E tal como ocorre com a provisão de Deus para nosso corpo e alma, precisamos apropriar-nos desses recursos pela oração. Observe que nos versos 10 a 13 os pronomes estão no plural. Ore não somente pelas suas necessidades, mas também pelas necessidades de outros. Orar por outros é chamado de intercessão. Pense nisso – muitos de seus amigos nem mesmo estão sendo perseguidos por nosso adversário; na verdade estão sendo mantidos presos por forças espirituais malignas. Através da oração, você tem o privilégio de participar do resgate deles!

“Pois teu é o Reino, o poder e a glória para sempre.” – versículo 13b

O verso 13b não aparece em todas as traduções da Bíblia. Todavia, para o objetivo deste guia de estudos, considere esse versículo como uma proclamação poderosa que louva a Deus. E o louvor certamente é a resposta adequada para alguém que acaba de ser abençoado pelo relacionamento íntimo com Deus.

Em Êxodo 33 lemos um diálogo entre Moisés e Deus que ocorreu depois de a nação de Israel ter desonrado a Deus de maneira inacreditável. Moisés tinha muito para conversar com Deus. No final de sua conversa, Moisés disse a Deus que não queria avançar a menos que a presença de Deus fosse com ele. Depois de encerrar seu tempo de oração com Deus, você não quer ir sem ter a certeza da presença dele, quer?

A Bíblia ensina que Deus habita em meio aos louvores de seu povo (Salmo 22.3). Quando você louva a Deus, está convidando-o a manifestar a presença dele na sua vida, e os poderes das trevas fugirão, porque não podem suportar a presença de Deus.

“Amém.”

A palavra “amém” significa literalmente “assim seja”. Nas palavras de um escritor, “acrescentar ‘amém’ à nossa oração é como um juiz que bate o martelo em sua mesa, proclamando: ‘Assunto encerrado’.”