Whom Does God Consider Righteous?

A questão não é tentar ser bom, mas confiar em Deus.


INTRODUÇÃO

Levando-o (Abrão) para fora da tenda, disse-lhe: “Olhe para o céu e conte as estrelas, se é que pode contá-las”. E prosseguiu: “Assim será a sua descendência”. Abrão creu no Senhor, e isso lhe foi creditado como justiça. 

– Gênesis 15. 5-6

Abraão e Sara viveram em Canaã por muito tempo, mas permaneciam sem filhos. Novamente, Deus falou a ele, dizendo que seus descendentes seriam como as estrelas dos céus, tantos que nem se poderiam contar. Abraão creu no que Deus disse. E Deus creditou a sua fé como justiça.

– A ESPERANÇA, Capítulo 5

Observe e considere

Na lição anterior vimos como Abraão respondeu com fé ao chamado e à promessa de Deus. Deus ordenou que Abraão deixasse sua casa e viajasse para uma terra desconhecida, e prometeu que faria dele o pai de uma grande nação. A lição de hoje lança um olhar sobre Abraão vários anos depois daquele primeiro passo de fé, e Abraão e sua esposa Sara continuam sem filhos! Mais uma vez Deus fala com Abraão, prometendo que seus descendentes seriam com as estrelas – tantos que nem se poderiam contar (Gênesis 15.5). Abraão não possuía nenhuma evidência de que teria um filho, muito menos uma multidão de descendentes. Mas Abraão creu em Deus, e Deus creditou sua fé como justiça (Gênesis 15.6). Esse versículo é um dos mais importantes da Bíblia, porque resume a base sobre a qual o homem pode apresentar-se como justo diante de Deus e ter um relacionamento com Ele.

A palavra “justiça”1 está relacionada à lei, moralidade e justiça. Em termos bíblicos, uma pessoa justa é uma pessoa sem culpa. Essa pessoa é perfeita ou “certa/justa” em relação à lei. Porém, se virar as páginas de sua Bíblia até Romanos 3.10, você lerá que “Não há nenhum justo, nem um sequer.”  Abraão foi infectado pelo pecado, assim como todas as pessoas desde Adão (veja a Lição 18). Se examinarmos mais de perto a vida de Abraão, veremos claramente que ele estava longe de ser perfeito.

Somente Deus é perfeito! Só Ele é santo e justo! E porque Deus é santo e justo, Ele não pode tolerar ou ignorar o pecado. O pecado viola o caráter de Deus e no fim Ele terá de julgá-lo. Em outras palavras, o pecado coloca uma barreira entre Deus (que não tem pecado) e o homem (que é pecador).

A palavra “creditado” 2 pode ser vista como um termo matemático ou de contabilidade. Se Deus fizesse uma auditoria da justiça de Abraão com base nos seus méritos, constataria que Abraão está em débito. Mas porque creu em Deus, Deus creditou a Abraão uma justiça que não provinha dele.

Para melhor entender esse conceito de ser “creditado como justo”, veja a história do juiz que serviu durante a grande depressão nos Estados Unidos.3 Certa noite trouxeram um homem a sua sala de tribunal. O homem desesperado havia sido pego roubando pão para alimentar sua família. Ao explicar a sua situação, o juiz sentiu pena do homem, mas a lei não lhe oferecia nenhuma opção. Era preciso puni-lo. A lei não faz exceções. Dez dólares ou dez dias na prisão. Em seguida, movido pela compaixão, o juiz colocou a mão no seu bolso e tirou dez dólares para pagar a multa.

O homem que tinha roubado o pão poderia ter recusado a bondade do juiz e ido para a cadeia. Mas ele não o fez. Ele dependia do fato de o juiz fazer alguma coisa por ele que não podia fazer por si mesmo. Desse modo o homem foi considerado “justo” perante a lei. Da mesma maneira, perante Deus Abraão era um homem pecaminoso (culpado, como qualquer outro homem). Mas Abraão creu em Deus. Abraão confiou em Deus para fazer por ele o que ele não podia fazer para si mesmo. E por ter confiado, Abraão foi considerado justo perante a lei.

Em nosso estudo sobre Adão e Eva na Lição 20, vimos que Deus prometeu que um dia mandaria um Libertador que derrotaria Satanás, o pecado e a morte para sempre. Abraão não precisava saber como no final Deus o salvaria das consequências do pecado. Mas ele sabia que Deus era o único que podia salvá-lo dessas consequências.

Pergunte e reflita

  • O homem que roubou pão teria sido tolo se não deixasse o juiz fazer por ele o que ele não podia fazer por si mesmo. Entretanto, muitos tentam fazer por si mesmos o que só Deus pode fazer por eles, ou seja, querem justificar-se perante Deus por seu próprio mérito. Por que? Por que alguém pensaria que pode ser suficientemente bom por sua própria força para ser justo diante de Deus?
  • A partir das passagens que examinamos hoje, podemos ver que Deus não somente desejava abençoar Abraão, mas também queria suprir tudo que Abraão precisava para caminhar naquela bênção. O que isto nos diz sobre Deus?

Decida e aja

No livro de Efésios há um versículo que diz: “Pois vocês são salvos pela graça, por meio da fé, e isto não vem de vocês, é dom de Deus; não por obras, para que ninguém se glorie.” (Efésios 2.8-9). A “salvação” da qual este versículo fala é a salvação da consequência do pecado. Essa salvação é uma dádiva, algo que jamais poderíamos sonhar merecer. Como Abraão, podemos confiar em Deus quanto à dádiva da salvação. Diferentemente de Abraão, sabemos como Deus fez isso. Se você ainda não leu a seção Conhecendo Deus no fim deste estudo, faça-o logo.

Efésios 2.8-9 trata especificamente da salvação do pecado. Mas na verdade há muitas coisas que só Deus pode fazer por nós, coisas que não podemos fazer por nós mesmos. Leia Salmo 127. 1-2, depois peça que Deus lhe mostre se você está fazendo algo para si mesmo que só Ele pode fazer. Seja como Abraão ou o homem perante o juiz – receba o que Deus deseja lhe dar.

Footnotes

1Definition of the Word “Righteous” from the Merriam-Webster Online Dictionary. (http://www.merriam-webster.com/dictionary/righteous). Retrieved October 10, 2006.
2Definition of the Word “Reckon” from Answers.com. (http://www.answers.com/topic/reckon ). Retrieved October 10, 2006.
3Brennan Manning, The Ragamuffin Gospel. (© Multnomah, 1990, pp 91–2; online at SermonIllustrations.com). (http://www.sermonillustrations.com/a-z/g/grace.htm). Retrieved November 10, 2006.