Beware of Pursuing God’s Will without God

O mundo ainda carrega o fardo de suas boas intenções.


INTRODUÇÃO

Ora, Sarai, mulher de Abrão, não lhe dera nenhum filho. Como tinha uma serva egípcia, chamada Hagar, disse a Abrão: “Já que o Senhor me impediu de ter filhos, possua a minha serva; talvez eu possa formar família por meio dela”. Abrão atendeu à proposta de Sarai.

– Gênesis 16.1-2

Mas como a promessa de Deus a Abraão poderia cumprir-se? Pois parecia impossível Sara ter um filho. Ao invés de esperar em Deus e pelo tempo Dele, Sara deu sua serva Hagar a Abraão e Hagar deu à luz um filho chamado Ismael. Por fim, como Deus havia prometido, Sara também gerou um filho de Abraão. Eles o chamaram Isaque. E Sara tornou-se amarga para com Hagar e Ismael. Abraão estava angustiado.

– A ESPERANÇA, Capítulo 5

Observe e considere

Nas lições anteriores vimos a fé de Abraão em Deus, e na promessa de Deus para fazê-lo pai de uma grande nação e abençoar todas as nações por intermédio dele. A lição de hoje analisa Abraão dez anos depois daquela primeira promessa (Gênesis 12.1-3). Sara, a esposa de Abraão, está com  aproximadamente 75 anos de idade, e ainda não deu um filho a Abraão!  Sara então desiste do privilégio mais sublime de uma esposa, o direito à afeição indivisível do marido, e oferece a sua serva, Hagar, para que seu marido possa ter um filho por ela e assim cumprir a vontade de Deus. É claro que Abraão poderia ter recusado, mas não recusou.

Este ato tolo de Sara não somente tumultuou seu casamento, mas o conflito épico e a tragédia humana que resultaram da insensatez de Sara ainda são sentidos hoje. O filho de Hagar, Ismael, passaria a ser pai das nações árabes, e o filho que Sara mais tarde conceberia seria o pai da nação de Israel. Dificilmente passa-se um dia sem que a mídia mostre algum incidente violento relacionado ao conflito árabe-israelense e à disputa quanto ao direito sobre a terra que Deus prometera a Abraão.1

Antes de continuar, lembre-se que em nosso estudo da história de Deus observamos um tema recorrente. O que da nossa perspectiva parece ser um acontecimento desastroso muitas vezes é uma parte necessária do plano superior de Deus para cumprir Seus propósitos eternos. Por exemplo, reagindo à arrogância do povo na construção da torre de Babel, Deus confundiu as suas línguas. O resultado foi caos, e Deus espalhou o povo pela face da terra. Mas isto também foi o início das nações como as conhecemos hoje. E no final Deus trará glória para Si mesmo e bênção para a humanidade fazendo algo que só Ele pode fazer, a saber, reunir todas as nações para viverem em paz com Deus e entre si.

O acontecimento que estamos examinando hoje evoluiu para um dos maiores conflitos da história humana. Dependendo da sua origem, esse conflito pode facilmente ser visto como uma luta entre aqueles estão certos e aqueles que estão errados, entre “pessoas boas” e “pessoas más”. Mas na verdade, ele é muito mais profundo do que isso. Como veremos na próxima lição, Deus ainda está no controle e Ele usará essa situação para Sua glória! Ao prosseguirmos, lembre-se dessas duas grandes verdades: 1) Deus vai povoar o céu com pessoas de todas as nações,2 e 2) o verdadeiro inimigo por trás de todo conflito é Satanás. 3

Pergunte e reflita

É fácil nós perguntarmos “Como Sara pôde  fazer uma coisa dessas?” Mas Sara não tinha ideia do alcance das consequências de suas ações. E para não sermos duros demais com ela, deveríamos considerar o raciocínio que a levou a agir desse modo, pois provavelmente todos nós já nos ocupamos com pensamentos semelhantes em um ou outro momento.

Sara sabia o que Deus havia prometido, mas provavelmente ficou em dúvida sobre qual parte da promessa dependia dela. Talvez você já tenha ouvido o ditado, “Deus ajuda a quem se ajuda”. Bem, isto pode parecer uma atitude diligente e responsável. Mas na verdade esse tipo de pensamento torna-se terra fértil para a vontade própria que se opõe à vontade de Deus. E uma vez que você passe para esse caminho de autodeterminação, não será difícil justificar  suas ações e acreditar que está agindo da maneira certa.

Podemos até imaginar que algumas pessoas vejam as ações de Sara como ações nobres de abnegação. Além disto, o que ela estava propondo não era incomum na cultura poligâmica que cercava Sara e Abraão. Até esse momento Deus apenas dissera que o herdeiro prometido viria por intermédio de Abraão (Gênesis 15.4). Só mais tarde Deus disse que a Sua promessa feita a Abraão se cumpriria através de um filho nascido de Sara (Gênesis 17.15–19).

  • Você pode  se imaginar fazendo a mesma coisa que Sara e Abraão fizeram? Por que sim ou por que não?
  • O que você pensa do ditado: “Deus ajuda a quem se ajuda”? Você concorda?
  • Você é capaz de lembrar alguma situação na qual sabia que era preciso fazer alguma coisa, mas lutou para saber a diferença entre a parte que competia a você e a parte de Deus?

Decida e aja

É importante observar que até esse ponto da história de Deus, Sara é conhecida como Sarai, e Abraão é chamado Abrão. Por falta de tempo, A ESPERANÇA não destaca esse fato. Mas segundo o relato bíblico, depois do nascimento de Ismael, Deus muda os seus nomes (Gênesis 17.5, 15). O significado literal de Sarai é “mulher contenciosa”. O significado de Abrão é “pai exaltado”. Mas no momento certo Deus mudou os seus nomes. Sara significa “princesa” e Abraão significa “pai frutífero” ou “pai de uma multidão”.

Uma “mulher contenciosa” pode manipular ou conspirar para fazer as coisas acontecer. Mas uma “princesa” tem o privilégio de permitir que o seu pai, o rei, faça as coisas por ela. Algumas pessoas parecem fazer as coisas acontecer pelos seus próprios esforços. Mas só Deus pode tornar uma pessoa “frutífera” (Salmo 127.1-3).

Abraão (Abrão) e Sara (Sarai) sabiam o que era a vontade de Deus, mas além da obra sobrenatural de Deus em sua vida, eles não conheciam os Seus caminhos. Se você está buscando o caminho de Deus, peça que Ele o mostre a você, e depois espere por Ele. Não tome as coisas em suas próprias mãos. Cuidado para não buscar a vontade de Deus sem Deus.

For Further Study

Footnotes

1Timeline: A History of the Land. (From the April 15, 2002 Issue of The Baptist Standard; © 2006 by Baptist Standard Publishing Co). (http://www.baptiststandard.com/2002/4_15/pages/mideast_timeline.html). Retrieved November 16, 2006. Although this timeline does not extend past the year 1993, it nonetheless overviews the centuries of unrest in the Middle East.
2Revelation 7:9.
3Ephesians 6:12. Revisit Lessons 14–17 of this Study Guide.