The Beautiful Side of Evil

A estratégia original de Satanás: a perversão do bem


INTRODUÇÃO

Ora, a serpente era o mais astuto de todos os animais selvagens que o SENHOR Deus tinha feito. E ela perguntou à mulher: “Foi isto mesmo que Deus disse: ‘Não comam de nenhum fruto das árvores do jardim’?”  Respondeu a mulher à serpente: “Podemos comer do fruto das árvores do jardim,  mas Deus disse: ‘Não comam do fruto da árvore que está no meio do jardim, nem toquem nele; do contrário vocês morrerão’ ”.  Disse a serpente à mulher: “Certamente não morrerão! Deus sabe que, no dia em que dele comerem, seus olhos se abrirão, e vocês, como Deus, serão conhecedores do bem e do mal.”

– Gênesis 3.1-5

E aconteceu que um dia quando Eva estava andando no jardim, perto da árvore do conhecimento do bem e do mal, Satanás falou com ela. Ela não estava com medo, pois o medo ainda não havia surgido no mundo. Satanás perguntou a ela sobre o fruto proibido. Ele questionou a advertência de Deus e a sua intenção para com o homem. Eva ouviu e começou a duvidar de Deus. Ela examinou o fruto e comeu-o. Então ela deu o fruto para Adão e ele comeu. E imediatamente eles se tornaram cientes de sua nudez e ficaram envergonhados.

– A ESPERANÇA, Capítulo 3

Observe e considere

A seção de A ESPERANÇA que estudaremos agora  é uma transcrição do que consta em mais detalhes em Gênesis 3. Note no trecho bíblico acima que Satanás apareceu a Eva e falou com ela em forma de uma serpente. Porém Eva, diferentemente de você e eu, não sentiu medo da serpente. Vejamos por quê.

Em primeiro lugar, na história de Deus não há indicação de que havia medo no mundo que Deus criou. O primeiro registro de medo na Bíblia encontra-se em Gênesis 3.10, depois de Adão ter desobedecido a Deus. E com base em Gênesis 9.2 podemos concluir que até este momento os animais não temiam os homens (ou pelo menos que seu temor era mínimo). Imagine a atitude de Eva nesse momento, jamais tendo encontrado algo que lhe desse medo!

Em segundo lugar, vejamos como Satanás se apresentou.  A palavra traduzida como serpente na passagem de Gênesis vem da palavra hebraica nachash1, que literalmente significa, “aquele que resplandece”. Ezequiel 28: 12-18 descreve Satanás como uma criatura excepcionalmente linda. 2 Coríntios 11.14 diz que “Satanás se disfarça de anjo de luz”. A partir desses versículos fica evidente que o mal nem sempre aparenta ser mau.

Geralmente associamos a ideia de mal com algo sinistro, escuro e ameaçador. Mas na realidade o mal muitas vezes vem em pacotes numa embalagem muito bonita. Satanás provavelmente pareceu muito bonito aos olhos de Eva. E que mal poderia haver em ouvir conselhos de uma linda criatura de Deus?  Afinal, não é uma coisa boa adquirir conhecimento?

Às vezes podemos escolher um caminho que parece ser bom para nós e para aqueles ao nosso redor. Mas na realidade, o que parece ser um bom caminho pode não ser o caminho de Deus. A Bíblia usa a palavra iniquidade muitas vezes.  Uma definição da palavra iniquidade2 é “a perversão do bem”. Uma das primeiras táticas de Satanás é a iniquidade. Ele não precisa fazer um ataque frontal para nos manter longe de Deus. Às vezes ele só modifica ou torce sutilmente a verdade.

Pergunte e reflita

  • Você consegue pensar em pessoas ou situações na sua vida que pareciam ser uma coisa, mas ao conhecê-las melhor viu que eram diferentes? Isto o ajuda a  compreender o assunto que estamos estudando hoje?
  • Na lição 2 vimos um versículo que diz: “Há caminho que parece certo ao homem, mas no final conduz à morte” (Provérbios 14.12). Quando você precisa escolher um caminho, como sabe se é o caminho de Deus, ou apenas um “lindo” caminho para a morte?

Decida e aja

Lembra-se do que dissemos na lição 14 -  “Conhecer os propósitos da vida começa por conhecer Aquele que dá propósito”. Passamos a conhecer o caminho de Deus ao conhecer a Ele de maneira pessoal e íntima.

Quando o Departamento do Tesouro dos Estados Unidos treina seus funcionários para reconhecer dinheiro falso, não precisa fazê-los estudar dinheiro falso.  Ao contrário, os funcionários gastam muito tempo para familiarizar-se intimamente com o dinheiro verdadeiro. Eles veem, examinam e manuseiam dinheiro verdadeiro por tanto tempo e com tanta atenção que, quando encontram uma cédula falsificada, identificam-na imediatamente.3

Alguma vez você já leu a Bíblia inteira? De certo modo a Bíblia é uma autobiografia. Será que não deveríamos ler a Sua história com tanta ou ainda maior atenção com que os funcionários bancários estudam o dinheiro? Faça um compromisso de ler e estudar a Bíblia regularmente e começar a conhecer a Deus através de Sua palavra.

For Further Study

Footnotes:

1John MacArthur, Satan: What Is He Like? Part 2. (© 1997, Grace to You). (http://www.gty.org/resources/sermons/1355/satan-what-is-he-like). Retrieved October 4, 2006. “He [Satan] appears as an angel of light. Most interesting, nachash was the Hebrew word that was used to speak of him as a serpent. That word really has two meanings; to hiss or whisper, and it also means to shine. He is the hissing, shining one.”
2D. Miall Edwards, Iniquity. (© Bible.org, 2005). (http://net.bible.org/dictionary.php?word=Iniquity). Retrieved October 4, 2006.
3Gary H. Strauss, The Real Thing. (© Questia Media America Inc., 2006). (http://www.questia.com/PM.qst?a=o&se=gglsc&d=5002480464&er=deny). Retrieved November 20, 2006. “It is commonly understood that when currency agents are trained to recognize counterfeit bills, they do not spend time examining and becoming familiar with the vast array of the best samples of the counterfeiter’s art. Rather, they spend many hours developing an intimate acquaintanceship with “the real thing,” to quote a familiar advertising phrase. Literally, every “jot and tittle” are scrupulously examined and pored over to the point that agents develop an indelible and finely detailed mental image of both sides of the various bills that make up the U.S. Treasury issue. Having developed such a thorough knowledge of even the most minute details, they are prepared to spot the incredibly subtle variations from the standard of perfection, “the real thing.” No aspect of these bills is ignored. Thus, when these agents encounter a counterfeit bill, a careful examination can typically result in the ready identification of the fake item, even though its degree of match with the real might be so close that most who regularly use these bills would never suspect the truth.”

Scripture quotations taken from the NASB